web analytics
­

Alimento

para o corpo e para o espírito

Tenho compartilhado algumas das coisas que escrevo, coisa que antes eu não fazia. Não sou escritora e se me colocasse assim, me sentiria ferindo o respeito que tenho pelos escritores que admiro. Há aqueles que me fazem parar para reler uma frase várias vezes e, de maneira tão verdadeira, tão incontestável, tão brilhante traduzem o pensamento, o sentimento – o deles e o meu! Têm uma escolha de palavras tão sincera, tão original, tão precisa! Esses são escritores e sei quem são os meus escolhidos, aqueles que têm me alimentado ao longo da vida. Acho boa a sensação de repartir esse banquete e pretendo fazer isso aqui na página. Não quero ser professoral. A ideia é repartir o que me toca. Nessa hora, me sinto aluna dividindo o caderno com o colega. Vez ou outra, deve pintar algo escrito por mim, um pratinho mais básico, trivial, porque há quem me diga que se sente bem lendo minhas lembranças e pensamentos aleatórios. Aí me sinto bem também, porque é bom saber que a gente produziu algo que fez bem aos outros.

Tem também a cozinha. Sobre isso, então, que é uma grande paixão, e talvez aquilo que eu faça de forma mais intuitiva, eu raramente escrevia. Sempre achei que era impor, a gente demais, um tema muito específico. Ocorre, porém,  que cozinhar faz parte de mim, de quem sou, desde que, ainda pequena, me enfiava lá na cozinha de casa e queria porque queria cozinhar também. Cheguei a frequentar alguns grupos de amantes da cozinha em redes sociais, mas aí me faltava algo: a troca se restringia a receitas, não era troca de afinidades. Algumas vezes, eu percebia no ar – talvez eu seja muito cri-cri – um quase concurso de quem está mais próximo de se tornar o mais novo chef-virtuoso-ainda-que-amador do pedaço.

Eu nunca pretendi ser chef. O que busco é a cozinha das cozinheiras de quadril largo, bunda grande, ancas generosas e cara brilhando com o vapor das panelas. Quero a cozinha que leva para nossas entranhas não só a comida, mas nós mesmos, aquela que nos faz viajar para dentro de nós. Para isso, o veículo pode ser um trivial purezinho de batata com carne moída, mas até pra fazer carne moída, tem jeitinho especial e é isso o que faz as pessoas embarcarem na viagem: o borogodó que só comida feita com afeto tem.

Leia mais…

últimas histórias

Meu irmão, meu amigo

quarta-feira, 16 de agosto de 2017|diVersos, Tudo junto e misturado|

Quando criança, eu era uma das mais novas da rua e, nas brincadeiras, meu irmão mais velho já ia dizendo que eu tinha que ser "café com leite".

No meio do caminho havia uma pedra

segunda-feira, 14 de agosto de 2017|diVersos, Tudo junto e misturado|

Olhei o par de micos sobreviventes, lá nos galhos mais altos da árvore. Foram os micos e os pássaros boa parte do motivo de ter vindo eu parar

Batata assada com recheio de cogumelo e gorgonzola

domingo, 13 de agosto de 2017|Sabores, Tudo junto e misturado|

Para dias frescos, quando bate uma preguiça culinária, mas vontade de ficar em casa e, ainda assim, comer comida boa, batata assada é a pedida.  Fácil de fazer,

Fedegoso, mas belo

sábado, 12 de agosto de 2017|diVersos, Tudo junto e misturado|

Tudo o que queria do dia era olhar árvore linda, carregada de florinha amarela em meio à folhagem verde; ver céu azul e branco ao fundo, juntar o

Ócio é rio que flui

terça-feira, 1 de agosto de 2017|diVersos, Tudo junto e misturado|

Tempo, dai-me o ócio, que nele me invento. No ócio contemplo e com ele me crio. No ócio é que flui intento nem meu: qual água de rio,

Amigas irmãs

sábado, 29 de julho de 2017|diVersos, Tudo junto e misturado|

Há tanto tempo combinávamos nos encontrar e nunca havia tempo. Semana passada, a dor atingiu a vida de minha amiga, então finalmente encontrei tempo. Eu não sabia o