web analytics
­

Alimento

para o corpo e para o espírito

Tenho compartilhado algumas das coisas que escrevo, coisa que antes eu não fazia. Não sou escritora, não mesmo, e se me colocasse assim, me sentiria ferindo o respeito que tenho pelos escritores que admiro. Há aqueles que me fazem parar para reler uma frase várias vezes e, de maneira tão verdadeira, tão incontestável, tão brilhante traduzem o pensamento, o sentimento – o deles e o meu! Têm uma escolha de palavras tão sincera, tão original, tão precisa! Esses são escritores e sei quem são os meus escolhidos. Aqueles que têm me alimentado ao longo da vida. Acho boa a sensação de repartir esse banquete e pretendo fazer isso aqui na página. Não quero ser professoral. A ideia é repartir o que me toca. Nessa hora, me sinto aluna dividindo o caderno com o colega. Vez ou outra, deve pintar algo escrito por mim, um pratinho mais básico, trivial, porque há quem me diga que se sente bem lendo minhas lembranças e pensamentos aleatórios. Aí me sinto bem também, porque é bom saber que a gente produziu algo que fez bem aos outros.

Tem também a cozinha. Sobre isso, então, que é uma grande paixão, e talvez aquilo que eu faça de forma mais intuitiva, eu raramente escrevia. Sempre achei que era impor, a gente demais, um tema muito específico. Mas cozinhar faz parte de mim, de quem sou, desde que, ainda pequena, me enfiava lá na cozinha de casa e queria porque queria cozinhar também. Cheguei a frequentar alguns grupos de amantes da cozinha em redes sociais, mas aí me faltava algo: a troca se restringia a receitas, não era troca de afinidades. Algumas vezes, eu percebia no ar – talvez eu seja muito cri-cri – um quase concurso de quem está mais próximo de se tornar o mais novo chef-virtuoso-ainda-que-amador do pedaço.

Eu nunca pretendi ser chef. O que busco é a cozinha das cozinheiras de quadril largo, bunda grande, ancas generosas e cara brilhando pelo vapor das panelas. Quero a cozinha que leva para nossas entranhas não só a comida, mas nós mesmos. Aquela que nos faz viajar para dentro de nós. E para isso, o veículo pode ser um trivial purezinho de batata com carne moída. Mas até pra fazer carne moída, tem jeitinho especial e é isso o que faz as pessoas embarcarem na viagem: o borogodó que só comida feita com afeto tem.

Leia mais…

últimas histórias

Carne maravilhosa da Maravilhosa

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017|Sabores, Tudo junto e misturado|

Se os dias estão frios, as sobras de carne assada têm destino certo aqui em casa: vão se juntar a um molho de tomate caseiro pra coroar um

Legumes assados: curingas no verão

terça-feira, 10 de janeiro de 2017|Sabores, Tudo junto e misturado|

No verão ninguém quer ter trabalho com comida, não é? Uma solução prática é comer fora e às vezes é bom mesmo, principalmente se o 'comer fora' oferecer

Metamorfoses são silenciosas

terça-feira, 10 de janeiro de 2017|diVersos, Tudo junto e misturado|

“É um engodo achar que os momentos decisivos de uma vida, em que seus rumos habituais mudam para sempre, sejam necessariamente acompanhados de uma dramaticidade ruidosa e estridente,

Pastel assado de palmito com alho poró e requeijão

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017|Sabores, Tudo junto e misturado|

-1 pacote de massa de pastel pronta (usei massa retangular grande, cortada em quatro partes) -1 alho poró fatiado fininho (só a parte clara do alho poró) -200

Janeiro do Rio

sábado, 7 de janeiro de 2017|diVersos, Tudo junto e misturado|

Janeiro do Rio é tempo de ver a vida quarando sob o sol, na areia. Em janeiro, no Rio, a vida é suada, oleaginosa, morena com mechas claras

Feliz 2017!

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016|diVersos, Tudo junto e misturado|

Um mundo novo não se faz com palavras, bem sei, mas palavras podem embrionar atitudes. Um mundo novo não se faz com palavras, mas palavras são pontes para