web analytics
­

Alimento

para o corpo e para o espírito

Tenho compartilhado algumas das coisas que escrevo, coisa que antes eu não fazia. Não sou escritora e se me colocasse assim, me sentiria ferindo o respeito que tenho pelos escritores que admiro. Há aqueles que me fazem parar para reler uma frase várias vezes e, de maneira tão verdadeira, tão incontestável, tão brilhante traduzem o pensamento, o sentimento – o deles e o meu! Têm uma escolha de palavras tão sincera, tão original, tão precisa! Esses são escritores e sei quem são os meus escolhidos, aqueles que têm me alimentado ao longo da vida. Acho boa a sensação de repartir esse banquete e pretendo fazer isso aqui na página. Não quero ser professoral. A ideia é repartir o que me toca. Nessa hora, me sinto aluna dividindo o caderno com o colega. Vez ou outra, deve pintar algo escrito por mim, um pratinho mais básico, trivial, porque há quem me diga que se sente bem lendo minhas lembranças e pensamentos aleatórios. Aí me sinto bem também, porque é bom saber que a gente produziu algo que fez bem aos outros.

Tem também a cozinha. Sobre isso, então, que é uma grande paixão, e talvez aquilo que eu faça de forma mais intuitiva, eu raramente escrevia. Sempre achei que era impor, a gente demais, um tema muito específico. Ocorre, porém,  que cozinhar faz parte de mim, de quem sou, desde que, ainda pequena, me enfiava lá na cozinha de casa e queria porque queria cozinhar também. Cheguei a frequentar alguns grupos de amantes da cozinha em redes sociais, mas aí me faltava algo: a troca se restringia a receitas, não era troca de afinidades. Algumas vezes, eu percebia no ar – talvez eu seja muito cri-cri – um quase concurso de quem está mais próximo de se tornar o mais novo chef-virtuoso-ainda-que-amador do pedaço.

Eu nunca pretendi ser chef. O que busco é a cozinha das cozinheiras de quadril largo, bunda grande, ancas generosas e cara brilhando com o vapor das panelas. Quero a cozinha que leva para nossas entranhas não só a comida, mas nós mesmos, aquela que nos faz viajar para dentro de nós. Para isso, o veículo pode ser um trivial purezinho de batata com carne moída, mas até pra fazer carne moída, tem jeitinho especial e é isso o que faz as pessoas embarcarem na viagem: o borogodó que só comida feita com afeto tem.

Leia mais…

últimas histórias

Lagoa

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017|diVersos, Tudo junto e misturado|

Poesia, hoje sei: desaguar do excesso do que não coube, transbordamento. Depois da cheia, jorrar incessante, vazante do todo. Medo: vazio sem fim, secura em mim. Deserto. Sequei?

Libação

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017|diVersos, Tudo junto e misturado|

É do nascedouro da vida, a grandeza. É da sua natureza a fartura a proliferação os cromossomiais encontros, os brotos, os processos caules, os processos sementes os processos

Mais uma vez, é tempo para a chegada do novo

terça-feira, 26 de dezembro de 2017|diVersos, Tudo junto e misturado|

Um mundo novo não se faz com palavras, bem sei, mas palavras podem embrionar atitudes. Um mundo novo não se faz com palavras, mas palavras são pontes para

Carregar água na peneira

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017|diVersos, Tudo junto e misturado|

Desejo: que haja quem nos ame justamente pela existência - e nunca apesar - de nossos despropósitos. Desejo: ter coração forte e alma grande o suficiente para ser

Quando a pedra é só pedra

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017|diVersos, Tudo junto e misturado|

"De vez em quando, Deus me tira a poesia. Olho pedra, vejo pedra mesmo." (Adélia Prado)

Paralelas

segunda-feira, 20 de novembro de 2017|diVersos, Tudo junto e misturado|

Lembro bem o dia em que li no livro de Matemática e, embora tenha até visto prova, tive dificuldade em acreditar: "Paralelas são retas que se cruzam no