web analytics
­

Alimento

para o corpo e para o espírito

Tenho compartilhado algumas das coisas que escrevo, coisa que antes eu não fazia. Não sou escritora, não mesmo, e se me colocasse assim, me sentiria ferindo o respeito que tenho pelos escritores que admiro. Há aqueles que me fazem parar para reler uma frase várias vezes e, de maneira tão verdadeira, tão incontestável, tão brilhante traduzem o pensamento, o sentimento – o deles e o meu! Têm uma escolha de palavras tão sincera, tão original, tão precisa! Esses são escritores e sei quem são os meus escolhidos. Aqueles que têm me alimentado ao longo da vida. Acho boa a sensação de repartir esse banquete e pretendo fazer isso aqui na página. Não quero ser professoral. A ideia é repartir o que me toca. Nessa hora, me sinto aluna dividindo o caderno com o colega. Vez ou outra, deve pintar algo escrito por mim, um pratinho mais básico, trivial, porque há quem me diga que se sente bem lendo minhas lembranças e pensamentos aleatórios. Aí me sinto bem também, porque é bom saber que a gente produziu algo que fez bem aos outros.

Tem também a cozinha. Sobre isso, então, que é uma grande paixão, e talvez aquilo que eu faça de forma mais intuitiva, eu raramente escrevia. Sempre achei que era impor, a gente demais, um tema muito específico. Mas cozinhar faz parte de mim, de quem sou, desde que, ainda pequena, me enfiava lá na cozinha de casa e queria porque queria cozinhar também. Cheguei a frequentar alguns grupos de amantes da cozinha em redes sociais, mas aí me faltava algo: a troca se restringia a receitas, não era troca de afinidades. Algumas vezes, eu percebia no ar – talvez eu seja muito cri-cri – um quase concurso de quem está mais próximo de se tornar o mais novo chef-virtuoso-ainda-que-amador do pedaço.

Eu nunca pretendi ser chef. O que busco é a cozinha das cozinheiras de quadril largo, bunda grande, ancas generosas e cara brilhando pelo vapor das panelas. Quero a cozinha que leva para nossas entranhas não só a comida, mas nós mesmos. Aquela que nos faz viajar para dentro de nós. E para isso, o veículo pode ser um trivial purezinho de batata com carne moída. Mas até pra fazer carne moída, tem jeitinho especial e é isso o que faz as pessoas embarcarem na viagem: o borogodó que só comida feita com afeto tem.

Leia mais…

últimas histórias

Poesia: retrato do avesso

segunda-feira, 27 de março de 2017|diVersos, Tudo junto e misturado|

O que queria? Que a poesia fizesse alarde feito retrato, que faz alvoroço sem esforço e sempre. E se o queria, é que a poesia retrato é, fotograma do

Retrato do artista quando coisa

segunda-feira, 27 de março de 2017|diVersos, Tudo junto e misturado|

A  maior riqueza do homem é sua incompletude. Nesse ponto sou abastado. Palavras que me aceitam como sou — eu não aceito. Não aguento ser apenas um sujeito

Pizza de funghi e gorgonzola

domingo, 26 de março de 2017|Sabores, Tudo junto e misturado|

A massa é esta aqui. Para a cobertura, usei molho de tomate (eu acho que molho feito em casa faz diferença), muçarela e parmesão ralados, pedacinhos de gorgonzola

Estrogonofe de soja

domingo, 26 de março de 2017|Sabores, Tudo junto e misturado|

Aqui em casa, sempre rola uma comidinha vegetariana. Eu ainda como carne, mas, cada vez, em quantidade menor. Nada a ver com o recente escândalo das carnes. No

O amor é um mergulho

domingo, 26 de março de 2017|diVersos, Tudo junto e misturado|

COQUEIRAL (Matilde Campilho) A saudade é um batimento que rebenta assim vinte e oito vezes desde meu ombro tatuado de desastre até à rosa pendurada em sua boca

Bem-vindo, Outono!

segunda-feira, 20 de março de 2017|diVersos, Tudo junto e misturado|

É outono no hemisfério sul. Tomo emprestados, ao revés, os antigos ritos pagãos de primavera e planto minhas sementes, acreditando no equilíbrio entre dia e noite. Deixo que