web analytics
­

Alimento

para o corpo e para o espírito

Tenho compartilhado algumas das coisas que escrevo, coisa que antes eu não fazia. Não sou escritora, não mesmo, e se me colocasse assim, me sentiria ferindo o respeito que tenho pelos escritores que admiro. Há aqueles que me fazem parar para reler uma frase várias vezes e, de maneira tão verdadeira, tão incontestável, tão brilhante traduzem o pensamento, o sentimento – o deles e o meu! Têm uma escolha de palavras tão sincera, tão original, tão precisa! Esses são escritores e sei quem são os meus escolhidos. Aqueles que têm me alimentado ao longo da vida. Acho boa a sensação de repartir esse banquete e pretendo fazer isso aqui na página. Não quero ser professoral. A ideia é repartir o que me toca. Nessa hora, me sinto aluna dividindo o caderno com o colega. Vez ou outra, deve pintar algo escrito por mim, um pratinho mais básico, trivial, porque há quem me diga que se sente bem lendo minhas lembranças e pensamentos aleatórios. Aí me sinto bem também, porque é bom saber que a gente produziu algo que fez bem aos outros.

Tem também a cozinha. Sobre isso, então, que é uma grande paixão, e talvez aquilo que eu faça de forma mais intuitiva, eu raramente escrevia. Sempre achei que era impor, a gente demais, um tema muito específico. Mas cozinhar faz parte de mim, de quem sou, desde que, ainda pequena, me enfiava lá na cozinha de casa e queria porque queria cozinhar também. Cheguei a frequentar alguns grupos de amantes da cozinha em redes sociais, mas aí me faltava algo: a troca se restringia a receitas, não era troca de afinidades. Algumas vezes, eu percebia no ar – talvez eu seja muito cri-cri – um quase concurso de quem está mais próximo de se tornar o mais novo chef-virtuoso-ainda-que-amador do pedaço.

Eu nunca pretendi ser chef. O que busco é a cozinha das cozinheiras de quadril largo, bunda grande, ancas generosas e cara brilhando pelo vapor das panelas. Quero a cozinha que leva para nossas entranhas não só a comida, mas nós mesmos. Aquela que nos faz viajar para dentro de nós. E para isso, o veículo pode ser um trivial purezinho de batata com carne moída. Mas até pra fazer carne moída, tem jeitinho especial e é isso o que faz as pessoas embarcarem na viagem: o borogodó que só comida feita com afeto tem.

Leia mais…

últimas histórias

“Quero é te ver dando volta no mundo,

domingo, 28 de agosto de 2016|diVersos, Tudo junto e misturado|

indo atrás de você, sabe o quêE rezando pra um dia você se encontrar e perceberQue o que falta em você sou eu" (5 a seco)

Amor é coisa mágica…

quinta-feira, 25 de agosto de 2016|diVersos, Tudo junto e misturado|

... mesmo naqueles que têm nenhuma ou quase nenhuma aptidão para ele, a vida arranja caminho: cedo ou tarde, ainda que obrigados, aprenderão a amar o amor verdadeiro. Se não

O fio que tece a vida

terça-feira, 23 de agosto de 2016|diVersos, Tudo junto e misturado|

O fio que tece a vida é fio comprido que vai do umbigo do infinito até um ponto. Ponto final? O fio que tece a vida se enrosca em

Como é pequeno o céu que vemos, e ainda assim nos parece infinito…

terça-feira, 23 de agosto de 2016|diVersos, Tudo junto e misturado|

Nunca fui guiada somente  pela razão. Em mim, sempre falou alto a intuição e nisso, também, há lógica. A razão me foi sendo construída a partir do conjunto

Bolo de cenoura da moça linda

domingo, 21 de agosto de 2016|Sabores, Tudo junto e misturado|

Enquanto comíamos o bolo de cenoura feito por ela, ela perguntava se gostamos mesmo. Eu pedi receita e já é a segunda vez que repito, então é claro

Plumas

sexta-feira, 19 de agosto de 2016|diVersos, Tudo junto e misturado|

Que ninguém se iluda: a liberdade tem seu preço. Mas também isto é verdade: há aqueles que a liberdade levou para conhecer o voo  ainda no berço e